fbpx
Author

Ricardo Andrioli

Browsing

Podemos responder de forma rápida a pergunta: O que é Chimarrão? Como sendo uma bebida tradicional a base de erva-mate, que tem raízes profundas na cultura sul-americana, sendo apreciado principalmente em países como Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil. Com origens indígenas e um legado histórico, o chimarrão transcendeu as fronteiras geográficas, transformando-se em um símbolo de convívio, tradição e compartilhamento.

Neste conteúdo abrangente, vamos explorar cada aspecto do chimarrão, desde a sua definição até as técnicas de preparo, sua importância cultural e até mesmo os benefícios para a saúde.

O Que é o Chimarrão: Definição e Ingredientes Básicos

erva-mate
Erva-mate

O chimarrão é uma infusão de erva-mate (Ilex paraguariensis) preparada com água quente, tradicionalmente consumida através de uma cuia (recipiente de porongo) e uma bomba (uma espécie de canudo de metal). A erva-mate é uma planta nativa das regiões subtropicais da América do Sul, conhecida por suas propriedades estimulantes e antioxidantes.

Muitas pessoas ainda confundem a questão da bebida quente ou gelada com erva-mate, no caso da erva-mte gelada, chamamos de tereré, a diferença detalhada entre tereré e chimarrão, você pode ler neste conteúdo.

Então para fortalecer: Chimarrão é a bebida quente, tereré é a bebida gelada e a erva-mate é a folha utilizada nela. Ambas as bebidas são Mate!

A Tradição e o Ritual do Chimarrão

A anos o chimarrão ultrapassou a mera ingestão de uma bebida. Ele tem força e prestígio, como sendo parte de um ritual que fortalece laços sociais e culturais. Sentar-se em roda com amigos ou familiares, compartilhando a cuia, é uma experiência que promove a comunhão e a conversa, proporcionando um momento de conexão autêntica.

Além da bebida e da conexão humana, chimarrão também é muita história. A tradição do chimarrão remonta aos povos indígenas das regiões sul-americanas, que já consumiam a erva-mate muito antes da chegada dos colonizadores europeus. Esses povos reconheciam a erva-mate não apenas por suas propriedades estimulantes, mas também por seus aspectos sociais e espirituais.

Considerada a “bebida dos Deuses”, na tradição de alguns povos indígena, eles acreditavam que a erva-mate era oferecida pelos Deuses para fortalecer os velhos guerreiros.

O Significado do Compartilhamento:

chimarrão emagrece

O ritual do chimarrão foi por muitos anos sinônimo de compartilhar, não só a bebida, mas momentos e histórias. Sentar-se em círculo, passar a cuia para o próximo e trocar experiências é um gesto que simboliza confiança e respeito.

Esse ritual continua vivo, claro que hoje é muito comum ver cada um com sua cuia (inclusive motivado pela pandemia do Corona vírus), porém a roda de conversa, o ato de compartilhar histórias enquanto bebe um mate, continua!

A evolução do Chimarrão

Além de seu estilo tradicional, o chimarrão evoluiu para algo muito mais aberto e adaptável nos dias de hoje.

Enquanto as tradições culturais e métodos clássicos de preparo ainda são amplamente valorizados, a cultura do chimarrão se expandiu para abraçar a criatividade e a inovação. Atualmente, as pessoas têm a liberdade de explorar e experimentar diferentes maneiras de desfrutar da erva-mate, resultando em uma variedade de versões contemporâneas do chimarrão.

Desde a escolha do tipo de erva-mate, com granulometrias de inúmeras variações, até no ato de adicionar aditivos como hortelã, gengibre, anis estrelado, até criar combinações exclusivas de sabores, o chimarrão se tornou um meio de expressão pessoal e descoberta culinária.

Inclusive a forma de preparar, dependendo do tipo de erva-mate, de moagem mais versátil, pode ser feito como quiser, com mais praticidade e inclusive fora da cuia, como em uma copo de vidro (por exemplo).

Essa abertura para experimentação reflete a diversidade cultural do mundo hoje e como as tradições podem ser reinventadas para se adequar aos gostos individuais. O chimarrão de hoje transcende as fronteiras do tradicional, tornando-se uma plataforma para a criatividade, a celebração de cada tipo de momento e a conexão com as raízes culturais de uma maneira única.

Benefícios e Propriedades da Erva-Mate: Saúde e Bem-Estar

messi-chimarrao-erva-mate
Messi bebendo Chimarrão

A erva-mate contém compostos bioativos, como xantinas (cafeína, teobromina, teofilina), polifenóis e vitaminas. Esses componentes conferem benefícios à saúde, incluindo aumento do estado de alerta, melhora na digestão, propriedades antioxidantes e potenciais efeitos anti-inflamatórios.

Repare, é comum ver atletas (principalmente no Futebol), bebendo chimarrão, como uma bebida pré-treino e pós-treino. Graças às suas propriedades energizantes, a erva-mate é uma excelente bebida antes ou pós treino, ela reduz o ácido lático e ajuda em uma recuperação mais rápida.

A erva-mate pode ser denominada como um super alimento, para informações detalhada sobre os benefícios da erva-mate, temos um conteúdo especial sobre o tema, basta acessar aqui.

Passo a Passo: Como Preparar um Chimarrão Perfeito

Parede do Chimarrão
Chimarrão pura-folha na gajeta

O preparo do chimarrão vai depender do tipo de cuia, tipo de erva e até mesmo, o local onde você está. Abaixo deixamos um passo a passo básico para compreensão geral:

  1. Escolha da Erva-Mate: Opte por uma erva-mate de qualidade, seja para chimarrão quente ou tereré (com água fria).
  2. Preparação da Cuia: Coloque 2/3 de erva-mate na cuia, tampe o bocal da cuia com a mão e agite a cuia. Agite suavemente para acomodar a erva na lateral da cuia.
  3. Adição de Água Quente: Despeje água quente (não fervente) na cuia, na lateral onde ficou o espaço vazio (lado oposto de onde ficou a erva-mate), preenchendo-a até um pouco abaixo do bocal.
  4. Degustação: Coloque a bomba. Beba! Reabasteça a cuia com água quente, uma cuia dura em média 1L de água quente.

Como dito anteriormente, hoje o chimarrão tem maneiras tradicionais e não tradicionais de fazer, importante é degustar a erva-mate. Neste link temos um conteúdo detalhado com fotos de como preparar um Mate de forma prática ou mais elaborada.

Cultura e Variações Regionais

O chimarrão tem nuances culturais em diferentes regiões, influenciando elementos como o tamanho da cuia, a forma de compartilhamento e até mesmo os aditivos utilizados, como açúcar ou ervas aromáticas.

Muitas pessoas se acostumam com o Chimarrão como sendo um estilo de preparo muito devido as regiões, porém a preparação do chimarrão pode variar e todas elas estão corretas. Por exemplo, existem regiões onde a tradição familiar no preparo que passa de pai para filho ainda vive mais presente, utilizando cuias de porongo, cuias grandes, preparo sem aditivos, erva-mate bem fina e que se faz necessário uma parede de erva-mate muito bem construída.

Hoje é possível reparar chimarrão sendo consumido em cuias de inox ou porongo tipo gajeta, onde é possível acrescentar erva-mate pura folha e já beber, sem um preparo prévio e muito elaborado, incentivando a praticidade e uso em qualquer momento, como no intervalo de um jogo de futebol, uma escalada, ou no home-office.

Como preparar Chimarrão
Chimarrão na Gajeta

Os rituais em torno do chimarrão também podem ter nuances de padrões costumeiros. Por exemplo, a roda de chimarrão em algumas comunidades tem ordem a ser seguida, quem bebe por primeiro é quem prepara, não mexer na bomba após o mate pronto e etc.

Mas não deixa de ser uma forma divertidade de encarar essa rica cultura.

Um Legado Venerável

O fato é que o chimarrão transcende o seu status de bebida e se torna um elo entre muitas emoções e sensações, incluindo esportes, pessoas, natureza e a tradição.

Desde a sua preparação até o compartilhamento em roda, ele carrega consigo séculos de história e valores intrínsecos à cultura sul-americana. Sua relação com a saúde, a convivência e a conexão humana é profundamente enraizada. Ao entender o que é o chimarrão, mergulhamos em um mundo de sabor, cultura e significado, unidos em uma cuia de convívio e amizade.

A cuia de porongo, também conhecida como cuia de cabaça, é um recipiente tradicional utilizado para consumir bebidas com erva-mate, o famoso chimarrão e o tereré.

Feita a partir do fruto do porongo (Lagenaria siceraria), a cuia de porongo possui características únicas e uma rica história que a torna um símbolo cultural em várias regiões. Neste conteúdo, vamos explorar o porongo, suas características, usos e curiosidades.

O Que é o Porongo?

O porongo (Lagenaria siceraria) é uma planta trepadeira pertencente à família das cucurbitáceas, a mesma família que inclui abóboras, melões e pepinos.

Pode ser cultivado sem tutoramento, ou seja, de maneira rasteira em contato direto com o solo, mas é indicado escorá-las e orientar seu crescimento via estacas ou cercas, de forma que possa aumentar a produtividade por área e para que os frutos não fiquem em contato com o solo.

É cultivado por suas frutas, que têm uma forma alongada e curva.

O porongo é amplamente cultivado em regiões tropicais e subtropicais, como América do Sul e África.

Características do Porongo

Diferente tipos de porongo
  1. Fruto: A fruta do porongo é geralmente de cor verde quando jovem e amarela ou marrom quando madura. Ela cresce em diferentes tamanhos, variando de pequenas a grandes, com formas e curvas únicas.
  2. Casca Dura: A casca do porongo é dura e resistente, tornando-o adequado para a confecção de utensílios e recipientes duráveis.

Usos Tradicionais e Cuia de Porongo: A casca do porongo é frequentemente esvaziada, limpa e seca para ser transformada em utensílios, principalmente as cuias de porongo. A cuia de porongo é tradicionalmente usada para consumir bebidas à base de erva-mate, como chimarrão e tereré. Ela também pode ser utilizada para outras bebidas e até mesmo para fins ornamentais.

Curiosidades e Significado Cultural

  1. Herança Cultural: O uso de cuias de porongo remonta a séculos atrás, sendo parte importante da cultura de diversas comunidades indígenas e tradicionais em várias partes do mundo. Inicialmente os povos indígenas utilizavam como uma espécie de cumbuca para transporte de líquidos e alimentos.
  2. Símbolo de Identidade: A cuia de porongo é muitas vezes considerada um símbolo de identidade cultural e tradição em várias regiões. Ela representa a conexão com a natureza, a sustentabilidade e os valores culturais.
  3. Artesanato: Além das cuias, a casca do porongo é utilizada para criar uma variedade de artesanatos, como objetos decorativos, instrumentos musicais e objetos utilitários.
  4. Personalização: Devido às variações naturais nas formas e tamanhos dos porongos, é possível ter uma cuia de porongo única. Isso torna cada peça uma obra de arte individual. Inclusive as cuias de porongo podem ter diversos tamanhos, desde as bem grandes até pequenas.

A cuia de porongo, é muito mais do que apenas um recipiente para bebidas tradicionais. Ela carrega consigo uma história rica, um profundo significado cultural e uma conexão com a natureza. A casca dura e as formas únicas dos porongos tornam as cuias de porongo objetos valorizados em várias regiões do mundo, não apenas como utensílios práticos, mas também como expressões de tradição e arte.

Porongo e as cuias de chimarrão desde a colheita

O cultivo do porongo ocorre geralmente entre os meses de julho e setembro, com algumas ocorrências também em outubro. Após alguns meses, em janeiro, ocorre a primeira colheita dos frutos.

porongo chimarrao

Após a colheita, inicia-se um processo de raspagem manual ou com o auxílio de escovas de aço para conferir ao fruto sua característica cor amarelada.

Nesse momento, dá-se início ao processo de beneficiamento do porongo, transformando-o em uma cuia de chimarrão. O porongo é cortado na parte superior, que já possui o formato típico da cuia. Em seguida, ocorre uma etapa de exposição a uma corrente natural de ar, evitando que o fruto rache.

Uma minuciosa limpeza do interior do porongo é realizada, preparando-o para a próxima fase. Uma lixação cuidadosa ocorre tanto no bocal quanto no interior do porongo, conferindo a ele uma textura lisa, característica das cuias de chimarrão.

Em algumas produções, à cuia é acabada de forma a gerar um brilho, inclusive em alguns casos com uso de verniz, em outros casos o produto acaba sendo finalizado de maneira mais orgânica e natural, sem interferências maiores.

Desde o cultivo dos frutos até o processo de transformação em cuias, cada etapa é realizada com atenção aos detalhes, garantindo a qualidade e a tradição associada a esses utensílios tão valorizados na cultura das bebidas à base de erva-mate.

Cuidados com o porongo

A cuia de porongo para uso pessoal, requer cuidados quanto à sua higiene, assim como qualquer outro recipiente para uso de bebidas. O objetivo é evitar o surgimento de mofo, neste caso basta simplesmente ser limpa em água corrente após o uso, utilizar apenas água e nada mais, inclusive não há necessidade der esfregar com esponjas.

As cuias de porongo quando novas, podem possuir o gosto ainda remanescente da casca do fruto, para isso é aconselhável curar sua cuia, para aprender a curar sua cuia nova, basta acessar este conteúdo.

Após diversos usos, poderá ser notado que a cuia de porongo mudou de cor, como trata-se de um recipiente poroso e natural, é normal que isso ocorra ao passar do tempo, já que a pigmentação da erva-mate irá prevalecer. Mas isso não é sinal de sujeira, mal uso, bolor ou etc., faz parte do processo e da cultura de matear!

Cuias diferentes

Garrafa Térmica Vermelha
Cuia tipo Gajeta

Por fim, vale lembrar que os diferentes tipos de cuias, acontecem devido ao tamanho, formato e tipo de porongo cultivado. Existem porongos mais alongados, outros mais arredondados, de pescoço longo, pescoço curto, porongo bolacha e etc., formatos que podem influenciar na ergonomia da cuia final.

A variedade natural de formas de porongos é influenciada por fatores genéticos, ambientais e climáticos, mas a escolha do tipo de porongo para confecção de uma cuia pode depender das preferências pessoais, tradições culturais e propósitos específicos.

Um exemplo de cuia de porongo diferente é a fomosa cuia gajeta, um porongo que resultado em uma cuia arredondada e achatada, formando uma cuia compacta por fora, de fácil transporte, porém de tamanho considerável por dentro, ou seja, apesar de parecer pequena, cabe uma boa quantidade de erva-mate dentro.

Para conhecer a cuia gajeta, temos um conteúdo interessante aqui. Você pode adquirir sua cuia de porongo na loja online da Chimarocks.

A erva de terere nada mais é que a erva-mate, ou cientificamente falando: Ilex paraguariensis. A mesma planta da qual é produzida a erva do chimarrão e do chá mate tradicional.

No entanto, pode existir formas especificamente destinada ao preparo da bebida conhecida como tereré.

Neste conteúdo, exploraremos o que é o tereré, suas características distintivas em relação a outras bebidas à base de erva-mate, possíveis mudanças ao longo do tempo e as diferenças regionais na preparação e consumo do tereré.

O que é tereré?

O tereré é uma bebida tradicional consumida principalmente em regiões subtropicais da América do Sul, como Paraguai, Brasil e norte da Argentina. No Brasil é mais comum o uso partindo do oeste do estado do Paraná, passando pelo interior paulista, Mato Grosso do Sul e chegando até Brasília.

Diferente do chimarrão e do chá mate quente, o tereré é preparado com água gelada, em alguns casos é acompanhada por aditivos como suco de limão, hortelã, menta ou outras ervas medicinais.

É uma bebida tradicionalmente compartilhada entre amigos e familiares, representando um momento de sociabilidade e conexão.

Características do Tereré:

  1. Temperatura: A principal diferença entre o tereré e outras bebidas que utilizam a erva-mate (como o chimarrão e o mate quente), é a temperatura da água. Enquanto o chimarrão é preparado com água quente, o tereré é feito com água fria ou gelada.
  2. Aditivos e Variações: O tereré frequentemente incorpora aditivos como suco de limão, hortelã, gengibre ou outras ervas medicinais, que podem conferir sabores e propriedades únicas à bebida. Esses aditivos são escolhidos de acordo com as preferências pessoais e tradições regionais. Porém também é comum o uso de apenas água gelada e erva-mate apenas, sem misturas.

Erva de tereré é a mesma do chimarrão?

erva de terere
Tereré feito em cuia tipo Gajeta

A erva-mate, é a planta base para a preparação tanto do chimarrão quanto do tereré, em alguns casos é possível sim que a erva-mate do tereré seja a mesma erva mate do chimarrão, porém é preciso encontrar uma erva-mate de qualidade e versátil.

É o caso da erva-mate pura folha, feita apenas com o néctar da planta, ou seja, apenas folhas, excluindo talos, pó de folha e qualquer outra parte de menos valor.

O mate pura folha é o mate perfeito para se utilizar a planta da forma que quiser e ainda desfrutar de um sabor realmente marcante.

Você pode encontrar uma erva-mate pura folha de qualidade clicando neste link.

Porém existem ervas específicas para chimarrão, que são as ervas moídas, de granulometria muito baixa, a famosa goma da erva-mate (“erva-mate em pó”). Essa erva muito fina dificulta o consumo do tereré já que possivelmente irá entupir a bomba, no caso do chimarrão o preparo desse tipo de erva é criando a parede de erva dentro da cuia.

Evolução do Tereré ao Longo do Tempo

A tradição do tereré tem raízes ancestrais, sendo uma prática indígena que evoluiu ao longo dos séculos. No entanto, com o passar do tempo, houve adaptações e incorporações de novos ingredientes e técnicas, como o uso de gelo para manter a bebida fria. Além disso, o tereré se tornou um símbolo de identidade cultural e nacional em países como o Paraguai.

O tereré por muito tempo foi consumido com erva-mate e uma quantidade considerável de talos da planta, hoje em dia já é muito comum o consumo de tereré com erva-mate pura folha.

Diferenças regionais e de consumo

terere gelado
Tereré em copo de alumínio

As diferenças na preparação e consumo do tereré podem variar de cidade para cidade e de região para região. Por exemplo, no Paraguai e em algumas regioões do Brasil, como o Mato Grosso do Sulo, é comum o uso de “guampa” (uma cuia) e a (bomba) de metal ou inox.

A guampa é o tradicionalismo do tereré, feito de chifre de boi, mas agora muitas pessoas optam por comprar outros recipientes como em alumínio, com estilos diversos, dupla camada, isolantes térmicos e etc, para manter ainda mais a água gelada. Por exemplo neste copo com tampa e bomba, em dupla parede de alumínio, pensado exclusivamente para tereré.

O consumo também é possível nas cuias tradicionais de chimarrão, feitas em porongo, ou na cuia tipo gajeta.

No Brasil, pode-se encontrar a utilização de recipientes plásticos. Além disso, a escolha de aditivos e ervas complementares pode variar de acordo com a cultura local.

Qual é a melhor erva para tereré?

A escolha da melhor erva para tereré pode variar de acordo com as preferências pessoais, região geográfica e disponibilidade. Existem diversas marcas e tipos de erva-mate específicas para o tereré no mercado, e cada uma delas pode oferecer características únicas de sabor, textura e aroma. Além disso, a adição de diferentes ervas e ingredientes naturais ao tereré pode influenciar a experiência gustativa.

No entanto, algumas características são geralmente valorizadas ao selecionar a melhor erva para tereré:

  1. Textura e Tamanho: Um exemplo de erva-mate para tereré de qualidade está em produtos que fornecem folhas de granolometria grande, isso permite uma melhor infusão e sabor quando combinada com água e gelo.
  2. Sabor Suave: Muitas pessoas preferem uma erva-mate para tereré que tenha um sabor mais suave e menos amargo em comparação com as variedades mais intensas de chimarrão.
  3. Complementos e Aditivos: Algumas marcas de erva-mate para tereré já vêm misturadas com ervas complementares, como hortelã, limão ou outras plantas aromáticas. Essas misturas podem adicionar sabores e aromas únicos à bebida. Porém você deve conhecer seu paladar, talvez um pacote todo já com aditivo pode ser tornar enjoativo, neste caso opte por um produto de apenas erva-mate e faça você mesmo o aditivo sob demanda.
  4. Qualidade da Matéria-Prima: Optar por erva-mate de boa qualidade é fundamental. Escolher uma marca respeitável e que utilize processos adequados pode garantir uma melhor experiência de tereré. Um produto sem muitas misturas, com folhas frescas e etc.

Sugestão: Uma erva-mate bem versátil, fresca e de muito sabor é a erva-mate pura folha ChimaRocks.

A erva-mate pura folha ChimaRocks é feita sem talos e sem pó de folha, com uma granulometria perfeita, é versátil pois pode ser usada tanto no tereré como no chimarrão. A erva sugerida para dar melhor qualidade ao tereré é a de amargor 2, pois trata-se de um produto pura folha mais suave, já que possui folhas um pouco mais grossas (que outra versão do mesmo produto ChimaRocks).

Lembre-se de que as preferências individuais variam, e o melhor tipo de erva-mate para tereré dependerá do gosto pessoal. Experimentar diferentes marcas e misturas pode ajudar a descobrir qual delas se adapta melhor ao seu paladar.

Sempre é uma boa ideia experimentar e explorar diferentes opções disponíveis no mercado, considerando suas preferências de sabor, aroma e a experiência completa de consumo do tereré.

Ilex paraguariensis é o nome científico da famosa erva-mate, uma planta nativa da América do Sul, conhecida por suas propriedades estimulantes e benefícios à saúde. Comumente consumida na forma de chá quente ou gelado, chimarrão, tereré, culinária, drinks e etc.

A erva-mate tem uma longa história de uso por povos indígenas e se tornou uma parte integral da cultura de diversos países, como Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Neste artigo, vamos explorar aspectos científicos, cultivo e usos da erva-mate.

Para saber mais sobre a história da erva-mate, você pode ler este outro conteúdo que já postamos sobre.

Cultivo da Ilex paraguariensis: Práticas e Considerações

O cultivo da erva-mate (Ilex paraguariensis) é uma atividade que demanda conhecimento específico sobre as necessidades da planta, seu ambiente natural e técnicas de manejo adequadas. Abaixo estão detalhados alguns aspectos importantes do cultivo da erva-mate, baseados em informações científicas e práticas de cultivo:

Erva-mate

1. Clima e Solo: A erva-mate é uma planta subtropical que se desenvolve melhor em regiões com temperaturas amenas e chuvas bem distribuídas ao longo do ano. No início do seu cultivo ela tolera temperaturas entre 15°C e 30°C, evitando extremos de frio ou calor intenso. Quanto ao solo, a planta prefere solos bem drenados, levemente ácidos a neutros e ricos em matéria orgânica.

2. Propagação e Plantio: A propagação da erva-mate pode ser realizada através de sementes ou estacas. Estacas de cerca de 20 a 30 cm de comprimento e com pelo menos três nós são plantadas em viveiros para o enraizamento antes de serem transferidas para o campo. A germinação de sementes pode levar algum tempo, pois a dormência das sementes é comum, mas pode ser superada utilizando algumas técnicas para tal.

3. Sombreamento: A erva-mate é uma planta de sub-bosque naturalmente adaptada à sombra. Assim, o cultivo associado a árvores mais altas que proporcionam sombra parcial é recomendado para garantir um ambiente propício ao seu crescimento.

4. Colheita: As folhas da erva-mate são colhidas quando atingem a maturação. A colheita é realizada por pessoas especializadas em colher a erva-mate, que utilizam facões, serras e alicates elétricos para cortar os ramos de folhas. O período de colheita geralmente ocorre no inverno e início da primavera, mas pode ser feito o ano todo.

É importante reiterar, o cultivo da Ilex paraguariensis é uma atividade que exige atenção a detalhes como clima, solo, sombreamento e técnicas de propagação. O conhecimento científico sobre o assunto é essencial para obter uma produção saudável e de qualidade.

Um olhar detalhado sobre os componentes ativos da Ilex paraguariensis

A Ilex paraguariensis apresenta uma rica composição química, incluindo xantinas, polifenóis, saponinas, vitaminas e minerais. Esses componentes ativos conferem à erva-mate suas propriedades estimulantes, antioxidantes e potenciais benefícios à saúde. Abaixo estão detalhados alguns dos principais componentes encontrados na erva-mate:

1. Xantinas: As xantinas são compostos que incluem a cafeína, teobromina e teofilina. A cafeína é amplamente conhecida por seu efeito estimulante no sistema nervoso central, proporcionando maior alerta e diminuindo a fadiga. A teobromina também possui efeitos estimulantes, além de propriedades vasodilatadoras e diuréticas.

História da Erva-Mate

2. Polifenóis: Os polifenóis são antioxidantes naturais encontrados na erva-mate. O ácido clorogênico é um dos principais polifenóis presentes e possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Os flavonoides, como quercetina e rutina, também contribuem para as propriedades antioxidantes da erva-mate, auxiliando na neutralização de radicais livres.

3. Saponinas: As saponinas são compostos que possuem atividades antimicrobianas e imunomoduladoras. Elas podem estar relacionadas à proteção da planta contra patógenos e pragas. Embora sua presença na erva-mate seja relativamente baixa em comparação com outras plantas, as saponinas ainda são consideradas componentes bioativos importantes.

4. Vitaminas e Minerais: A erva-mate contém uma variedade de vitaminas, incluindo vitamina C, vitaminas do complexo B (como B1 e B2), além de minerais como potássio, manganês e magnésio. Esses nutrientes contribuem para a saúde geral e o funcionamento do organismo.

Qual o efeito da erva-mate?

Estimulante para esportes
  1. Estimulação: A presença de cafeína e teobromina na erva-mate proporciona um efeito estimulante semelhante ao do café. Isso pode melhorar o estado de alerta, o foco e a disposição mental.
  2. Antioxidantes: Os polifenóis presentes na erva-mate possuem propriedades antioxidantes, ajudando a combater o estresse oxidativo e reduzindo o risco de danos celulares.
  3. Saúde Cardiovascular: Alguns estudos indicam que o consumo regular de erva-mate pode contribuir para a redução do colesterol LDL (colesterol ruim) e melhorar a saúde cardiovascular devido aos compostos antioxidantes e anti-inflamatórios.
  4. Controle do Peso: A combinação de cafeína e polifenóis pode aumentar a taxa metabólica, o que pode auxiliar no controle de peso quando combinada com uma dieta equilibrada e atividade física.
  5. Saúde Digestiva: Tradicionalmente, a erva-mate é usada para aliviar distúrbios digestivos leves, como indigestão e constipação.

Temos um conteúdo focado nos benefícios da erva-mate, para ler em detalhes clique aqui.

Para que serve o Ilex paraguariensis?

A erva-mate é consumida principalmente na forma de chimarrão, tereré, chá quente ou frio, mas também é utilizada hoje em dia na culinária, na confecção de produtos naturais de higiene e na produção de drinks.

O famoso chimarrão por exemplo, pode ser preparada através da infusão das folhas secas da planta em água quente, geralmente utilizando uma cuia e uma bomba.

Hoje a variação de produtos, moagens, blends e granulometrias são infinitos. Alguns produtos de qualidade feitos com a erva-mate você pode encontrar na loja online da ChimaRocks.

Tereré ou Chimarrão

Cultura

A erva-mate (Ilex paraguariensis) é mais do que uma simples bebida estimulante; é um símbolo cultural e uma fonte de benefícios à saúde, carregada de muita história e estilo de vida. Seu cultivo requer cuidados e condições adequadas, mas os esforços valem a pena devido à riqueza de compostos benéficos presentes na planta.

Em resumo, a erva-mate é um exemplo fascinante de como uma planta pode influenciar a saúde e a cultura de uma região de maneira profunda e duradoura por anos atrás de anos.

Fontes:

  1. BALESTRA, M.; et al. O cultivo da erva-mate (Ilex paraguariensis) no Brasil: um estudo de caso. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 7, n. 1, 2012.
  2. FERREIRA, A. G. et al. Cultivo da erva-mate (Ilex paraguariensis): aspectos fitotécnicos. Embrapa Florestas, Circular Técnica 117, 2007.
  3. SOARES, M. V.; et al. Influência da sombra no desenvolvimento inicial de erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.). Ciência Florestal, v. 25, n. 1, 2015.
  4. BASSETTO, E.; et al. Yerba mate (Ilex paraguariensis) metabolic profile: chemical and biological characterization. Advances in Food and Nutrition Research, v. 77, p. 177-218, 2016.
  5. BRUINS, M. R.; et al. Bioactive Compounds in Functional Beverages: The Role of Polyphenols, Chlorogenic Acid and Caffeine in Nutrition and Health. In: Grumezescu A. (eds) Nutrient Delivery. Academic Press, 2019.
  6. HECK, C. I.; DE MEJÍA, E. G. Yerba Mate Tea (Ilex paraguariensis): A Comprehensive Review on Chemistry, Health Implications, and Technological Considerations. Journal of Food Science, v. 72, n. 9, p. R138-R151, 2007.

Detalharemos aqui as ervas ChimaRocks para você saber qual escolher, mas é importante afirmar que as duas versões podem ser consumidas juntas, fazendo a mistura do seu jeito.

Hoje a ChimaRocks possui três tipos de erva-mate, :

  • Erva Mate Pura Folha Verde
  • Erva Mate padrão uruguaio
  • Erva Mate moída grossa nativa

Sobre a erva-mate Pura Folha

Pura Folha
  1. A erva-mate pura folha significa que ela não possui nada além de folhas na sua composição, ou seja, nada de talos e galhos da planta e nem a goma (aquela erva em pó de moagem extremamente fina), aqui as folhas são visíveis com de 2mm a 3mm cada.
  2. Essa erva-mate pode ser utilizada tanto para chimarrão, como para tereré.
  3. Extremamente rápido o preparo, prático, fácil e não entope a bomba.
  4. É uma erva-mate muito verde e sempre fresca, o néctar da planta.
  5. Dentro dessa versão, você pode escolher duas opções:
  • Pura folha suave: possui folhas maiores, de aproximadamente 3mm, por ser mais suave, adeptos assíduos de tereré fazem mais uso dessa opção. Porém fica excelente com chimarrão também.
  • Pura folha marcante: possui folhas menores, 2mm aproximadamente, por ser mais intensa, é mais comum a escolha para Chimarrão. Porém fica excelente com tereré também.
Padrão uruguaio

Sobre a erva-mate padrão uruguaio

  1. Essa erva-mate possui folhas amareladas, pois passam por um estacionamento perfeito de até 2 anos antes da comercialização;
  2. Diferente da nossa versão pura folha, aqui ela possui uma mistura de 70% de folhas com moagem grossa de aproximadamente 2mm e os outros 30% composto por goma da erva selecionada;
  3. É um produto de sabor marcante e único, para quem aprecia Chimarrão (não é feita para tereré);
  4. Nessa versão é aconselhado cevar o mate no preparo, ou seja, fazer a tradicional parede de erva no Chimarrão.

Sobre a erva-mate moída grossa nativa

Moída grossa
  1. Podemos chamar essa erva de um Blend de erva-mate Tradicional fina com uma dose perfeita do nosso Pura Folha verde;
  2. 100% da composição é feita de erva-mate nativa, sombreada, extremamente verdinha e sempre fresca.
  3. A formação da moída grossa contém uma porcentagem perfeita de erva-mate em pó e talos, para aprimorar o sabor misturado a uma porcentagem significativa de apenas folhas grossas.
  4. Você pode usar na cuia tradicional ou na nossa cuia gajeta para fazer o seu chimarrão (não entope).
  5. Também fica interessante utilizar esse padrão junto do padrão pura folha da CiimaRocks, neste caso você pode fazer a dosagem que deseja de folhas, acrescentando mais folhas do que já possui este blend e criar um sabor especial e de seu gosto.
Uruguaia com folhas amarelas
Blend moída grossa
erva-mate
Pura folha verde

Em linhas gerais, Gajeta nada mais é que um recipiente tradicional utilizado para beber erva-mate, geralmente quente como no chimarrão, mas nada impede de beber gelado como tereré.

A Gajeta é feita a partir do porongo, um fruto da planta Lagenaria siceraria, que é seco, cortado e esvaziado para se tornar o recipiente, este porongo é conhecido por alguns como porongo bolacha.

O porongo utilizado para fazer a Gajeta é escolhido cuidadosamente para garantir que tenha um formato adequado para ser utilizado como recipiente para o chimarrão. O formato é redondo, como um coquinho, inclusive é chamado por alguns como cuia coquinho, também conhecido como cuia uruguaia.

A diferença entre a Gajeta e a cuia tradicional do chimarrão é principalmente o formato e o tamanho. Já que ambas são feitas de porongo. A Gajeta tem um formato mais arredondado e simétrico, como um círculo com corte em uma das partes, já a cuia tradicional é alongado, com um diâmetro maior na parte inferior.

Além disso, ambas as cuias podem ter a mesma capacidade, porém a Gajeta é externamente mais compacta, mesmo que não pareça, seu interior pode caber bastante erva-mate. Já a cuia tradicional pode ser produzida em tamanhos maiores o que faz ser um recipiente mais volumoso de modo geral.

Para preparar a Gajeta para o uso pela primeira vez, pode-se fazer o processo de cura da gajeta ou ir curando conforme o uso. Para curar a Gajeta podemos por exemplo enchê-la com erva-mate e água quente, deixando-a de molho por algumas horas ou durante a noite. Esse processo ajuda a remover o sabor residual do porongo e garantir que a Gajeta esteja pronta para ser utilizada. Basicamente o mesmo proceso de uma cuia tradicional.

Para ver em detalhes como curar sua cuia nova, acesse este conteúdo.

Gajeta

Para beber um chimarrão devido o formato bem arredondado do Gajeta, a tradicional parede de erva-mate será menor, por isso é comumente utilizado com erva-mate pura folha, neste caso não é necessário a preparação com parede de erva, deixando o preparo muito simples e rápido.

Para ver como preparar um chimarrão na Gajeta, acesse este link.

A gajeta, assim como as cuias tradicionais gaúchas, é um elemento central na cultura do chimarrão e é considerada por muitos como uma forma muito autêntica de beber a bebida, devido o uso do tradicional porongo.

Ela é apreciada por duas vertentes de públicos, quem busca um recipiente diferente do comum para beber seu mate, que seja compacto e que facilite o preparo, ou para quem busca alinhar tudo isso a sua aparência rústica e pela sensação de tradição que ela proporciona ao preparar e beber o chimarrão.

Além disso, o porongo utilizado na fabricação da Gajeta é uma matéria-prima renovável e ecologicamente correta.

A escolha entre a Gajeta e outras cuias para chimarrão é uma questão de preferência pessoal. Nos últimos anos a Gajeta tem ganho muitos adeptos, principalmente pós pandemia, onde as pessoas buscaram alternativas para beber um bom mate sozinho e as dimensões compactas dela favoreceram para essa escolha. Inclusive facilita o preparo para quem busca um mate mais rápido e de preparo simples, ou ainda, quem busca inovar nas criações do chimarrão.

Tereré e chimarrão são duas bebidas tradicionais sul-americanas, muito populares em países como o Paraguai, Argentina, Uruguai e Brasil. Ambas as bebidas são feitas a partir da erva-mate, mas diferem na forma como são preparadas e consumidas.

O chimarrão é uma bebida típica do sul do Brasil, especialmente dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, mas também é popular em outras partes do país. Já o tereré é uma bebida típica do Paraguai, mas também é popular em outras partes da América do Sul, como no Mato Grosso do Sul e Interior de São Paulo.

Em resumo, a principal diferença entre o tereré e o chimarrão é a temperatura da água. Algumas marcas de erva-mate vendem seus produtos com exclusividade para um ou outro tipo de bebida.

Mas ambas as bebidas são apreciadas por seus efeitos estimulantes em estudos, trabalho e atividades físicas e por serem uma forma de socialização e convívio entre amigos e familiares.

Diferenças no preparo

Água quente no Chimarrão

Preparado do Chimarrão

Para preparar o chimarrão, é preciso colocar a erva-mate em um recipiente chamado cuia, que é uma espécie de copo feito tradicionalmente de porongo, cabaça ou madeira.

Depois, adiciona-se água quente até a metade da cuia e insere-se uma bomba, que é um tubo de metal com um filtro na ponta, por onde se suga a bebida. A água quente é reposta várias vezes durante o consumo.

O chimarrão é muito consumido em roda de amigos, para trabalhar/estudar ou também na prática de exercícios físicos.

Preparo do Tereré

Copo tereré ChimaRocks

Para preparar o tereré, é necessário colocar a erva-mate em um recipiente, pode ser a cuia, porém na maioria dos casos é utilizada na guampa (um tipo de copo fabricado a partir do chifre de boi) ou no copo de alumínio.

Diferente do chimarrão, no tereré usa-se água gelada ou suco de frutas para preparar a bebida.

Assim como no chimarrão, no tereré também utiliza-se a bomba para sugar a bebida.

Tereré ou chimarrão, qual opção escolher?

A escolha entre tereré ou chimarrão depende muito do gosto pessoal e da ocasião em que a bebida será consumida.

Se você prefere uma bebida refrescante, pode optar pelo tereré, que é preparado com água gelada ou suco de frutas. Além disso, o tereré é ideal para dias quentes e para momentos de descontração e socialização com amigos e familiares.

Por outro lado, se você prefere uma bebida quente e mais forte, pode escolher o chimarrão, que é preparado com água quente e tem um sabor mais intenso. Além disso, o chimarrão é mais comum em regiões mais frias e é uma bebida tradicional em alguns estados do sul do Brasil.

Assim como e tereré, o chimarrão também é uma ótima bebida para interação com amigos e familiares.

Existe diferença entre a erva-mate utilizada no Tereré e no Chimarrão?

Embora a erva-mate seja o ingrediente principal tanto do tereré quanto do chimarrão, podem existir algumas diferenças na forma como a erva é processada e nas características de como a planta é utilizada em cada bebida.

No caso do chimarrão, a erva-mate geralmente é produzida a partir das folhas novas da planta, que são colhidas e secas em um processo que pode durar vários dias. Durante a secagem, a erva-mate é exposta ao processo que lhe confere um sabor mais forte e característico.

Já a erva-mate utilizada no tereré pode ser produzida a partir das folhas mais velhas da planta, que são colhidas e processadas de forma diferente. Em vez de ser seca e defumada, a erva-mate do tereré pode ser mais fresca ou minimamente processada.

Além disso, a erva-mate do tereré geralmente tem a granulometria de folhas aparentes, diferente do chimarrão onde contém ou pode conter grande quantidade de goma, ou também chamado do pó de erva-mate, que nada mais é que a erva-mate bem fina.

Em alguns casos é possível encontrar a erva-mate a venda já “saborizada”, por exemplo com limão, nestes casos é utilizada para o consumo gelado, ou seja, no tereré.

Qual erva-mate que pode ser utilizada tanto no tereré como no chimarrão?

Você pode estar se perguntando: então a erva-mate perfeita, que pode ser utilizada para ambas as situações não existe?

Existe sim.

A erva-mate pura folha é aconselhável para as duas situações, pois como o nome já diz, trata-se apenas da erva-mate em folhas, nada de pós de folha (goma) e talos ou palitos da planta. As folhas podem conter uma granulometria variada, porém sempre com folhas grandes aparentes. Permitindo um chimarrão marcante e um tereré refrescante.

O Mate pura folha permite uma bebida com apenas o néctar da erva-mate, podendo ser consumido apenas com água (quente no chimarrão e gelado no tereré) ou adicionando sabores tais como, limão e laranja (no caso do tereré), camomila, gengibre, capim-limão (no caso do chimarrão).

A erva-mate pura folha pode ser utilizada para quem quer um mate tradicional, porém é ótima para quem deseja inovar e fazer do seu jeito. Inclusive pode ser utilizada para fazer receitas, drinks, chás e etc.

Um bom exemplo de erva-mate que pode ser utilizada para Chimarrão ou Tereré é a erva-mate ChimaRocks, possui granulometria perfeita de 2 a 3mm, sempre verde e fresca.

Seja você um esportista, estudante ou simplesmente alguém que busca foco no trabalho, a busca por um energético natural que equilibre sua disposição e seja saudável para um consumo diário é a fórmula perfeita para a vitalidade.

Na rotina do dia a dia não há trapaças, portanto saber quais alimentos aumentam a energia, melhoram a resistência e o desempenho, pode ser a diferença entre ganhar e perder.

E nada melhor do que estar tranquilo, motivado em consumir um alimento em que você sabe ser considerado um energético natural.

Listamos aqui alguns energéticos naturais para dar disposição em suas atividades e ao longo do texto detalharemos os 5 principais:

  • Erva-mate
  • Sementes de abóbora
  • Castanha do Pará
  • Guaraná em pó
  • Spirulina
  • Gengibre
  • Aveia
  • Beterraba

#1 Erva-mate

A erva-mate, aquela mesma usada em chimarrão, tereré ou em chá.

O consumo da erva-mate fornece ao organismo um alto poder de concentração, devido a inúmeros benefícios naturais da planta e um deles é a cafeína.

erva-mate

Escolhido por muitas pessoas, no consumo principalmente através do chimarrão, onde fornece a mesma energia de alimentos ricos em cafeína, porém sem os efeitos colaterais desagradáveis que algumas pessoas sentem ao consumir um café, por exemplo.

Inclusive a erva-mate atua diretamente no sistema nervoso, além de ter alto impacto sobre os músculos, auxiliando em sua rápida recuperação. 

Só aqui você já pode perceber por que é comum ver jogadores de futebol bebendo chimarrão antes dos treinos, como é o caso do Messi, sempre sendo fotografado com sua cuia e sua garrafa térmica em baixo do braço.

Para você que deseja consumir a erva-mate, porém fica confuso diante tantas opções que existem no mercado, a nossa sugestão é a erva-mate pura folha ChimaRocks, ela possui o melhor na concentração dos benefícios da erva e sua granulometria favorece para diversos usos, incluindo chá quente ou gelado, chimarrão, tereré, receitas e até mesmo drinks.

Como a erva-mate conta com inúmeros benefícios para a saúde, sendo um excelente energético natural estimulante físico e mental, separamos um conteúdo focado só neste assunto, clique aqui para saber mais.

#2 Sementes de abóbora

Você sabia que para pessoas saudáveis, por vezes a falta fôlego ou a dificuldade em controlar a frequência cardíaca durante o exercício, pode ser baixa concentração de ferro no corpo.

O ferro é essencial na produção de glóbulos vermelhos saudáveis ​​que fornecem oxigênio aos tecidos do corpo. Sem ferro suficiente no sangue, você se cansa mais rápido. E a falta de oxigenação por sua vez, pode afetar sua frequência cardíaca e função imunológica.

Sementes de abóbora e abóbora são uma ótima fonte de ferro à base de plantas. Eles também são embalados com fibras, gorduras saudáveis ​​e proteínas.

Mas claro, assim como qualquer outro ingrediente contido nessa lista, para uma melhor verificação, inclusive do estado de saúde corporal, a melhor receita é a consulta com um especialista da área médica.

#3 Gengibre

Gengibre é um excelente termogênico natural, que acelera o metabolismo, demandando muito mais energia para a sua digestão, além de possuir propriedades energéticas que mantém o sistema nervoso em alerta.

Além de tudo, essa raiz é fonte de antioxidantes e vitaminas que fortalecem o sistema imunológico, tem propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e auxilia na digestão.

O gengibre tem seu preparo diversificado que vai de molhos à chás e sucos, inclusive pode ser utilizado junto ao chimarrão e a erva-mate mencionada no tópico #1.

Para o chimarrão, basta tirar lascas de gengibre e ferver junto na água que será utilizada para colocar na cuia. Aliando dois grandes energéticos naturais em uma única bebida.

Outra boa combinação, fácil, clássica e saudável é o suco de abacaxi com hortelã, neste caso, adicionando ainda o gengibre, une os benefícios do gengibre, a vitamina C do abacaxi e a recrescência da hortelã que também é um termogênico natural, fonte de antioxidantes.

Tanto o chimarrão quanto o suco, podes ser consumidos tranquilamente todos os dias, inclusive antes de praticar exercícios. Como um pré-treino natural.

#4 Spirulina

A Spirulina é uma alga verde-azulada e acredita-se que seja uma das formas de vida mais antigas da Terra.

A Spirulina tem um sabor amargo, então as pessoas costumam misturá-la com iogurtes, sucos e smoothies para melhorar seu sabor. A Spirulina é comumente disponível como suplemento em lojas de alimentos saudáveis.

A Spirulina é uma potente fonte de nutrientes. Ele contém uma poderosa quantia de proteína à base de plantas. Inclusive sendo uma opção aos vegetarianos, pois o teor de proteínas supera o da soja e até mesmo da carne bovina.

E segundo a Forbes Health, a Spirulina pode ajudar a aumentar a força, a resistência e o desempenho muscular (afirmando que em um estudo, homens que tomaram um suplemento de 6 gramas de Spirulina todos os dias por quatro semanas desfrutaram de períodos mais longos de exercícios sem fadiga do que aqueles que não o fizeram). E ainda, pode aumentar o metabolismo de uma pessoa, o que pode fazê-la se sentir mais energizada

#5 Castanha do Pará

O exercício intenso pode ser difícil para o seu corpo. A recuperação adequada é essencial para melhorar sua força. Gorduras saudáveis ​​e alimentos ricos em vitaminas e minerais essenciais podem ajudar a melhorar a função imunológica. 

A castanha do Pará é uma excelente fonte de proteínas, gorduras e outros nutrientes essenciais.

As castanhas-do-pará são conhecidas por serem ricas em nutrientes como:

  • sódio
  • cálcio
  • potássio
  • magnésio

Comer apenas algumas castanhas por dia pode estimular seus processos naturais de recuperação e ajudá-lo a construir e manter ossos e músculos fortes.

Energéticos Naturais, qual escolher?

Tendo o conhecimento dos energéticos naturais listados até aqui, cabe cada um experimentar e verificar qual se adapta melhor, ou ainda, qual seu organismo consegue perceber melhor os ganhos.

Vale muito bem uma combinação entre eles, como é o caso da erva-mate com o gengibre, quem sabe para você, beber um chimarrão (pura folha) com gengibre antes dos treinos, comendo algumas castanhas, possa ser uma combinação perfeita para ganhos de foco e energia, além de ser super fácil e prazeroso seu consumo diário.

Se você chegou aqui é por que provavelmente já se fez essa pergunta, Chimarrão emagrece? e a resposta é sim, mas também não. E vamos te explicar certinho aqui.

Antes de tudo, é importante você conhecer os benefícios da erva-mate, temos um conteúdo que detalha os 10 benefícios reais da erva-mate e você pode ler clicando aqui.

Mas para facilitar sua vida, podemos resumir os benefícios da erva-mate em: Vitaminas A, B1, B2, C, E, minerais tais como ferro, fósforo, cálcio, benefícios na resistência física, concentração, saúde cardiovascular, alto poder antioxidante, além de beneficiar a prática de esportes e por fim, conta com benefícios para a saúde digestiva e o emagrecimento.

Então vamos falar sobre o assunto, porém é sempre bom lembrar que qualquer informação nutricional e de dieta deve ser acompanhada por um nutricionista, aqui as informações são meramente para abordagem de curiosidades.

Chimarrão emagrece? Em que circunstância?

O chimarrão emagrece aliado a algumas circunstâncias, pois o consumo da erva-mate por si só não será responsável pelo emagrecimento, mas seus benefícios e efeitos se aproveitados da maneira correta, podem sim emagrecer, para quem deseja o resultado de emagrecimento.

Porém se no seu caso, você não quer emagrecer, então não se preocupe, mas leia os parágrafos a seguir para entender melhor.

Um ponto que podemos analisar para a contribuição do chimarrão no emagrecimento, está pela sua atuação como estimulante natural, sendo riquíssimo em cafeína, sendo capaz de auxiliar nos ganhos de energia e diminuição do cansaço mental.

Ou seja, bebendo chimarrão você consegue ter mais disposição e mais energia para pratica exercícios, e consequentemente queimar calorias.

Inclusive a erva-mate sendo ingerida de forma quente, pode promover ainda mais a eliminação de líquidos, combatendo quem tem retenções e inchaços, estimulando a produção de ácidos gástricos, favorecendo desta forma a evacuação.

Outro ponto de atenção são as propriedades termogênicas, dessa forma algumas pessoas utilizam o chimarrão como suplemento para o emagrecimento, se valendo pelo fato da bebida acelerar o metabolismo e aumentar o gasto calórico.

Essa aceleração do metabolismo por sua vez, pode contribuir para uma sensação de saciedade, inclusive aqui ressaltamos: algumas pesquisas afirmam que a erva-mate auxilia nos ganhos de níveis de dopamina, o que amplia e obtém sensações de prazer e bem-estar.

Dessa forma, para algumas pessoas que consomem o chimarrão antes de uma refeição, pode ter a sensação de saciedade ampliada, estimulando uma alimentação menos excessiva.

Outro ponto que pode se levar em consideração é que o chimarrão além de ser delicioso, é um ótimo estimulante para práticas esportivas e possui níveis baixos de sódio e calorias.

Então podemos afirmar que o chimarrão emagrece graças a uma combinação entre uma dieta saudável e exercícios, com isso, a erva-mate pode auxiliar sim você a chegar ou manter seus objetivos de peso.

Qual erva-mate utilizar?

Para seus objetivos em manter o foco nos treinos, exercícios, vida saudável e ainda, consumir uma erva-mate de qualidade no seu Chimarrão, aconselhamos a erva-mate pura folha e verde

A erva-mate pura folha conta apenas com o “néctar” da erva, ou seja, não contém os talos da planta e nem o pó da folha altamente moída, conta com apenas folhas.

E no caso da folha verde, mantém um aroma e sabor mais fresco, saboroso e marcante, suficiente para ser consumido no dia a dia e inclusive como pré-treino para suas atividades físicas.

Para você que ainda não conhece a erva-mate pura folha, ou que não tem o costume do consumo, sugerimos a erva-mate da ChimaRocks, feita sob medida para quem busca os melhores benefícios da erva-mate.

Inclusive a erva-mate ChimaRocks pode ser utilizada além do Chimarrão para: tereré, chá batido, chá gelado, receitas e drinks.

Se você está com uma cuia nova em mãos, pode estar se fazendo três perguntas: O que é curar uma cuia? Eu realmente preciso curar a cuia de chimarrão? Como curar a cuia nova?

Responderemos aqui estas três perguntas:

O que é curar a cuia?

Uma resposta simples e objetiva: curar a cuia ou curtir a cuia é o processo de tirar o gosto e o amargor natural de uma cuia ainda sem uso, além de auxiliar no processo de fortificar seus poros, seja ela de Porongo ou madeira.

Basicamente curar a cuia evita que o sabor do seu mate mude nos primeiros usos.

A gajeta ChimaRocks por exemplo, ela é um Porongo natural, orgânico e sem tratamento químico. É possível sim que nos primeiros mates a cuia nova ainda tenha seu gosto característico.

E pra você que não sabia, o Porongo é um fruto, também conhecido como Cabaça.

É realmente preciso curar a cuia?

Sendo bem prático, curar a cuia antes de usar não é extremamente fundamental, muita gente cura a cuia usando, o processo de curtir a cuia segue o mesmo princípio de utiliza-la.

Porém como citamos mais acima, curar a cuia irá auxiliar no processo de tirar o sabor natural do Porongo e deixar sua cuia com o máximo sabor da erva-mate.

Você pode perceber, com o uso prolongado sua cuia irá pegar a cor e o sabor da sua erva favorita.

Como curar cuia de chimarrão

Curar sua cuia nova de chimarrão é um processo bem simples, na internet você irá encontrar uma infinidade de sugestões, já que cada local tem seus costumes, cabe você escolher a que se sente melhor em fazer, aqui deixaremos uma sugestão bem prática.

Podemos curar a cuia simplesmente com água e erva-mate, conforme passo a passo abaixo:

  • Se você acabou de comprar a cuia e ela está “zerada”, a primeira coisa que você deve fazer é lavar por dentro e por fora para tirar uma possível poeira, nada mais normal até aqui. Lave apenas com água corrente e esfregue com os dedos mesmo.
  • Agora as paredes da sua cuia estão bem húmidas, chegou a hora de colocar a erva-mate, uma colher cheia de erva é o suficiente neste primeiro momento. Movimente sua cuia para que todo o mate grude nas paredes internas (é como “untar” uma forma, rs).
  • Após algumas horas, a cuia irá secar, então repita este processo por mais algumas vezes sempre que a erva secar, para manter a parede da cuia húmida e com erva-mate.
  • Se preferir, você também pode encher de erva-mate até a boca e completar com água, assim não se preocupa em ficar repetindo aquele processo varias vezes.
  • Em ambas as opções deixar a cuia descansando por 24hrs é o suficiente. A água utilizada pode ser na temperatura ambiente ou quente, mas nunca fervida.

Depois de ter feito estas etapas, é só descartar a erva-mate e limpar a cuia com água corrente, sem esfregar, sem utilizar esponja e sem utilizar qualquer produto de limpeza.

Deixe secar na horizontal, na sombra, em um espaço arejado, nunca de boca pra baixo, para que o ar sempre circule dentro dela.

Pronto, bora fazer o chimarrão 🙂

Se você quer saber como preparar um chimarrão pura folha na gajeta, é só acessar este link!